×

Histórico da Paróquia de São Sebastião - Itatiauçu

O chamado arraial de São Sebastião de Itatiaiuçu é contemporâneo das eras primitivas do ouro de Minas.
A descoberta da Serra do Itatiaia em 1969 serviu de balizador para os bandeirantes vindos de São Paulo à procura do ouro, o qual se encontrou ali em abundância. Porém, com a descoberta do Tripuí, do Ribeirão do Carmo e do Sabarabussu, o ouro de itatiaia foi considerado de 2ª categoria e abandonado.


Sua colonização se deveu à Guerra dos Emboabas. Derrotados, os portugueses (emboabas) entraram para os sertões do Oeste e o Ten. Gen. Manuel da Borba Gato aí se instalou em 1710. Ficou sendo o primeiro povoador, em virtude da sesmaria de 3/12/1710. Seguiram-lhe: Mateus Leme, Cap. Felippe Gonçalves Santiago (sesmaria de 8/3/764, o Sgt. – Mor Gabriel da Silva Pereira (1º morador de Divinópolis – sesmaria de 12/2/751), além de outros.


O topônimo significa em tupi-guarani: “pedra” (ita), “dentada” (tiãi-tiãi), “grande” (uçu), levando-se em conta o nome da Serra. Segundo o historiador Waldemar de Almeida Barbosa “é realmente admirável que este lugar, povoado desde a primeira metade do século XVIII, conserve a mesma denominação até hoje. Parece impossível que nossos legisladores tenham deixado passar esta exceção”.


Enquanto capela filial pertenceu ao Termo da Pitangui. Em 14 de julho de 1832, por força de Decreto Imperial, foi elevada a categoria de Curato, passando ao Termo de Bonfim (o que, salvo engano, desmente a informação de que o Curato teria sido criado em 1703 pelo Bispo do Rio de Janeiro, Dom Francisco de São Jerônimo). Neste ano realiza sua primeira eleição, na sede eleitoral, que era a Vila da Formiga. Em 1839 foi elevada a distrito pela Lei nº 134.


O patrimônio paroquial foi doado por escritura pública datada de 27/6/748, outorgada pelo Capitão Francisco Araújo.


A criação da freguesia e conseqüente Paróquia se deu em 1º de junho de 1850, com o nome de Paróquia de São Sebastião de Itatiassu, de mais fácil pronúncia (sic).


Não se conhece o nome do 1º pároco. Registrou-se que em 1857 era vigário o Pe. Francisco de Paula Teixeira, não se sabendo até quando paroquiou. Em 1888 assumiu  Pe. Eusébio Nogueira Penido (sic) que ficou até 1892. E em 1889 tomou posse o Pe. José Eusébio Nogueira Penido (sic) que ficou até 1908. Assume neste ano o Pe. Hugo Alberto Fesingher, o Praem., que paroquiou até 1919 (faleceu na Bélgica em 28/10/31). Segue-se no período de 18/30 o Pe. Israel Miranda, que ocupou o paroquiato em mais de 3 períodos: 33/40 , 50/53 e 54/57. Seu substituto foi o Pe. Everardo Mollengraaf, SS.CC. (que era arquiteto e engenheiro), foi Pároco no período de 30/33.


Seguiram-se: Pe. Mário Jota (40/44), Pe. José Ferreira Neto e Marciano Siqueira (este por 6 meses) no período 44/jul-46. Pe. Geraldo Gomes jul-46/jan-47, Pe. Pedro Cordeiro Rocha 47 jul-48. Pe. Emanuel jul-dez-48, Pe. José Ferreira Neto e Pe. Hílton Gonçalves de Souza 49-50, Pe. Elpídio Rosa de Freitas 53/54, Pe. Geraldo R. Costa 58/60 e Pe. Geraldo Drumond Guimarães (período incerto em 1960).


Até 1970, ficou sem pároco residente, mas foi atendida por diversos sacerdotes.


No período 71/73 ficou a cargo do Pe. Agostinho Ferreira Gomes, Pe. Giovani Van de Laar, CSSp 73/out-74, Pe. Mário Clemente Neto, CSSp, (hoje Bispo Prelado de Tefé, AM) out-74,77, Pe. Antônio Luís de Farias 77/78, Pe. Luiz turkenburg, CSSp, 78/85 e Pe. Carlos Roberto Marques 85/86.


Pe. Marcos Heleno Guimarães Moreira, que tomou posse em 7/1/87, menos de um mês após sua ordenação sacerdotal.


Pe. Carlinhos, Pe. Alaor Borges, Diácono José Geraldo Flores, Pe. Emanuel Cordeiro Costa, Pe. José Raimundo Bechelaine, Pe. Agostinho, Pe.Frei Pedro Chiaretti (chegou em abril de 1992), Pe. Moacir Silva Arantes (chegou  em 2002), Pe. Enildo Antônio Silva (tomou posse em 07/02/2006). Padre Charley ficou até 2015.

Atualmente o Administrador Paroquial é o Padre Adão.

 

Parceiros