O jeito de Deus

Qualquer um de nós, tendo que começar um novo empreendimento, nos cercamos de milhares de profissionais. Fazemos sondagem de mercado, buscamos apoio publicitário e contratamos grandes profissionais. Queremos pessoas competentes para nos ajudar a atingir as metas e emplacar o negócio no mercado. Tendo tudo isso, ficamos  tranquilos e cremos que tudo irá dar certo. Em nossos planos não consideramos muito a possibilidade da doença ou da morte... Pensamos que tudo, ou quase tudo, depende do acerto de nossos cálculos ou planejamentos.

 

Há dois mil anos atrás Jesus começou um dos maiores empreendimentos da humanidade: Sua Igreja. Quantas organizações você conhece que já tem dois mil anos?  Para fundar a Igreja, primeiro, Jesus passou longos momentos em oração. Era preciso ter intimidade com o pai e conhecer os segredos de seu coração. Só depois de rezar muito, montou sua equipe: pescadores, cobradores de impostos, gente do povo... Não buscou nenhum figurão do seu tempo. Mas, gente de valor. Conviveu, de perto, com essa equipe e mais do que palavras deu-lhe exemplos. Exemplo de diálogo, ternura, paciência, perdão, oração. Começou toda sua obra com gente miúda aos olhos do mundo.

 

Após conviver e ensinar sua equipe, Jesus a enviou pelo mundo com algumas recomendações: Não levar duas túnicas, nem bolsa ou sacola. Não parar de porta em porta e agradecer sempre a boa acolhida. Não lhes forneceu “Gps” ou celular. Enviou seus seguidores sempre dois a dois, pois não queria ninguém brilhando sozinho. Deveriam ir primeiro às ovelhas perdidas de Israel e depois ao mundo todo. Foi assim que a Igreja começou.

 

Hoje, temos que tomar cuidado para não confiar apenas nos recursos humanos ou financeiros. Tudo isso é importante, mas pode vir abaixo quando Deus não está em primeiro lugar. Sua empresa, ou organização, pode ser o novo Titanic, o navio que se afundou na primeira viagem após dizerem, orgulhosamente, que um navio daquele porte, nem Deus seria capaz de afundá-lo. Pois é. Afundou. Simples assim. Foi ao fundo toda a vaidade e arrogância humana.

 

À frente de sua Igreja, Jesus colocou um pescador chamado Pedro. Pedro era homem simples e cheio de fraquezas. Mas, na convivência com Jesus foi transformado. Dizem que, ao final da vida, ao ser condenado à morte, quis morrer como Cristo. Só pediu que a cruz fosse virada de cabeça para baixo, pois não se achava digno de morrer como seu mestre.  Os apóstolos, quase todos martirizados, foram as primeiras colunas da Igreja. Depois deles, quantos mártires surgiram! A gente até perde a conta.  Ainda, hoje, Jesus continua chamando seus discípulos. O critério é o mesmo. O que mais importa é o coração e a coragem de morrer por Ele, se for preciso. Você conhece alguém que morreu por alguma organização? Eu conheço. Nem saberia contar quantos homens e mulheres deram a vida por amor a Cristo.

 

O jeito de Deus é muito diferente dos nossos. Nós, olhamos, julgamos e condenamos pelas aparências. Deus olha nosso interior e a qualidade dos nossos corações. Quantas lições podemos aprender com Jesus!


Hoje, uma pessoa ganha ou perde um emprego por causa da aparência. Que pena! Talvez, aqueles ou aquelas que ficaram do lado de fora é que seriam os mais importantes para salvar o empreendimento!

 

 

POR PADRE GABRIEL